Arquivo de Setembro, 2013

Administração de Condomínios | Assembleias virtuais

Assembleias virtuais

Devido à correria do dia a dia, às estressantes jornadas no trabalho, nos estudos e nos trabalhos de casa, às vezes deixamos de lado algumas tarefas básicas, não comparecer às assembleias do condomínio que moramos, é um exemplo.

Se ausentar destas reuniões acarretam vários problemas, pois, quando alguma decisão é aprovada, por mais que ela não te agrade, pelo fato de você não ter comparecido para a votação, não pode fazer nada contra.

Sabendo disso, empresas de administração de condomínios, acharam a solução para realizar as assembleias sem ter a maioria dos condôminos presentes, através das chamadas assembleias online, ou assembleias virtuais.

Como funciona?

Ela é, na verdade, uma reunião de condomínio realizada pela Internet, através de plataformas específicas, onde, tanto os moradores quanto os administradores, se “encontram” em um ambiente virtual, num horário definido antecipadamente e tratam sobre os mesmos temas que debateriam numa reunião presencial.

Antes de inserir esta nova ferramenta, é preciso tomar algumas providências. A principal delas é consultar a Convenção do condomínio e assegurar-se de que está permitido realizar reuniões desse tipo, pois, em algumas convenções fica estabelecido que as assembleias devam ser obrigatoriamente presenciais. Nestes casos, é preciso realizar uma modificação no texto da Convenção, que deve ser aprovado em assembleia primeiramente, para só então realizar as reuniões através da Internet.

O perfil do condomínio influencia

Antes mesmo de ir atrás desta ferramenta de administração de condomínios, é preciso analisar se ela está de acordo com o perfil do condomínio.

Em alguns casos, este tipo de assembleia é inviável. Nos prédios em que a maioria dos condôminos é composta por idosos, por exemplo, é sugerido que o sistema de assembleias presenciais continue e, muitas vezes, nem mesmo seja cogitada a ideia de mudança, pois, por se sentirem acanhados, mesmo que esta parcela de moradores não concorde com a ideia, acabam acatando à proposta e tendo algumas dificuldades futuras.

A Adaplan oferece serviços de auxilio para as assembleias, criação de regimento interno, etc. Tudo isso pode ajudar muito na implantação da assembleia virtual e até mesmo na presencial. É preciso analisar a proposta da empresa e verificar se ela atende à necessidade do seu condomínio.

Administração de condomínios – O atual perfil dos síndicos

Síndico Profissional | Adaplan

Se observarmos bem de perto, um condomínio possui hábitos bastante semelhantes aos de um município, onde é preciso administrar e manter as áreas todas funcionando da melhor forma possível, os transportes (elevadores, escadas e outros acessos), fornecimento de água, gás, energia elétrica, coleta de lixo, limpeza e etc. E cabe ao síndico cuidar para nada nem ninguém seja prejudicado ou mal atendido.

Para manter uma boa administração de condomínios, são necessários alguns ajustes e investimentos contínuos, tanto na infraestrutura do prédio quanto nas informações passadas ao próprio síndico.

Legislação mais rigorosa

Com as leis condominiais cada vez mais rígidas, como as novas normas de isolamento acústico, os síndicos se tornam obrigados a realizar constantes reciclagens nas suas técnicas de gestão.

É preciso realizar a administração com muita visão empresarial e, principalmente, com responsabilidade, afinal, uma simples decisão errada, pode acabar gerando grandes problemas e até mesmo gastos que poderiam ser evitados.

Moradores mais exigentes

Além de as leis estarem mais rigorosas, elas estão conhecidas, principalmente pelos condôminos, fazendo com que eles saibam cada vez mais sobre as normas a serem seguidas pela administração, tornando-se mais exigentes.

Esta exigência é gerada principalmente pela preocupação deles com a valorização do seu patrimônio, pois uma simples decisão de congelar as taxas de rateio pode fazer com que os investimentos e reformas sejam interrompidos momentaneamente, tornando o condomínio desvalorizado. É preciso saber também realizar a administração de bens.

Como deve ser o novo síndico

Administração de bens - Adaplan

Hoje em dia, realizar uma administração “à moda antiga” está fora de cogitação. A maioria dos síndicos que acredita que não é necessário passar por uma reciclagem é substituída assim que os moradores têm a primeira oportunidade, ou seja, não são reeleitos.

Ter dinamismo, visão gerencial, manter os relatórios de checagem atualizados e saber interpretar as informações é essencial para um administrador. Porque, apesar de um síndico profissional poder delegar algumas das suas funções, somente ele assume as responsabilidades legais sobre o condomínio. Para se encaixar no perfil do novo síndico é preciso ser quase um rábula, ou seja, deve entender bem sobre leis mesmo não sendo formado em Direito, conhecer um pouco de tudo: finanças, recursos humanos, área jurídica, etc.

Auto vistoria de condomínios

Auto vistoria de condomínios

Manter a manutenção do condomínio em dia é essencial para não gerar riscos e problemas com a segurança dos moradores e colaboradores. Desta maneira, é possível evitar incêndios, vazamentos de gás e até mesmo queda de marquises e fachadas.

No Rio de Janeiro, por exemplo, a lei impõe que a autovistoria em prédios residenciais e comerciais seja obrigatória a cada cinco anos. E, para isso, é preciso que a administração de condomínios seja cuidada com bastante atenção, pois, muitas vezes, isso pode custar caro.

De acordo com a Lei

A lei da autovistoria passou a vigorar em 15 de julho de 2013, sendo que a primeira vistoria deverá acontecer no dia 1 de janeiro de 2014. Até lá, as empresas administradoras de condomínios devem estar com tudo em dia para não haver problemas e o edifício não ser multado.

Existem exceções?

Sim, porém, apenas para os prédios residenciais unifamiliares e bifamiliares, ou seja, aqueles que possuem até dois pavimentos e uma área construída inferior à mil metros quadrados; as edificações situadas em áreas de interesse social e também aquelas que receberam o habite-se há menos de cinco anos também estão livres da obrigação de vistoria.

Administração de Condomínios - vistoriaComo é feita a vistoria?

A execução da vistoria pode ser considerada um problema, pois, para que ela ateste realmente as condições da estrutura, os profissionais que realizarão os laudos técnicos precisarão necessariamente entrar em todos os apartamentos do condomínio. Contudo, visto que a Constituição garante o direito da inviolabilidade do lar, o condômino pode recusar a entrada do técnico, tornando assim a conclusão da vistoria impossível.

Mesmo com a lei já em vigor há aproximadamente dois meses, o tema ainda é assunto de muitas conversas entre os membros da administração de condomínios. O ideal é manter as instalações e áreas comuns dos prédios em bom estado, para que, com ou sem esta vistoria, a segurança seja levada primeiramente em consideração.