Arquivo de Dezembro, 2014

Segurança em primeiro lugar

Quando falamos de segurança, pensamos em coisas como violência nas ruas, assaltos, policiamento. Porém, muitas vezes, nos esquecemos de detalhes sutis, que fazem a diferença em escadas, rampas e pisos escorregadios nos diversos locais que frequentamos: as fitas antiderrapantes.

Fallen man

Apesar de muitas pessoas afirmarem que elas são necessárias somente em locais onde existe a presença de crianças e idosos, elas são fundamentais para a segurança de todas as faixas etárias, sem exceção.

Compostas por filme de PVC e resinas sintéticas à prova d’água, as fitas antiderrapantes ajudam – e muito – na prevenção de acidentes. É norma da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) que rampas e escadas de saída de emergência tenham pisos que sejam antiderrapantes e, por isso, uma excelente solução é a utilização das fitas.

Existem muitas vantagens para a utilização das fitas antiderrapantes, o que põe por terra algumas justificativas de locais que tentam burlar as regras. Veja só:

– É de fácil aplicação. Em geral, você precisa lavar o piso com água e sabão para retirar o pó e gorduras;

– São resistentes à chuva e, por isso, podem ser aplicadas em ambientes externos;

– São resistentes ao tráfego intenso de pessoas;

– Possui diversos modelos e cores e, por isso, não prejudica a aparência do local. É possível encontrar fitas reflexivas, zebradas, fotoluminescentes, coloridas, emborrachadas, transparentes, entre outras;

– Em locais com pouca luminosidade ou em momentos de falta de luz, as fitas fosforescentes ajudam na sinalização de escadas, rampas e corredores.

Para ambientes internos, recomenda-se a utilização de fitas que tenham em sua composição grãos de óxido de alumínio de gramatura 80, resistente a produtos químicos e que sejam à prova d’água. É um tipo de fita indicado para locais de pouca movimentação de pessoas.

Já para as áreas externas, o ideal é o uso de fitas com gramatura 60, que são mais grossas e mais resistentes. Nos ambientes externos, também se recomenda a utilização de fitas fosforescentes, que têm a capacidade de absorver luz artificial e natural ao longo do dia e emiti-la durante a noite por cerca de 6 horas.

Com segurança a gente não pode brincar, caso tenha alguma dúvida sobre fitas antiderrapantes ou segurança em geral entre em contato com a sua administradora de condomínios. Vale a pena zelar pelas pessoas de nossa família. E, para os donos de empresa, vale cuidar do bem-estar de seus clientes e colaboradores e, também, evitar acidentes, que trarão para você uma série de dores de cabeça com processos e indenizações.

Hora de reformar o seu apartamento

Vem chegando o fim do ano e você resolveu fazer aquela reforma no seu apartamento. Afinal, são anos de economia para deixar tudo do jeitinho que sempre sonhou.

house moving and reform concept

Só você sabe quantas pesquisas fez na Internet para descobrir as novas tendências, não é verdade? Você pesquisou preços, estudou combinações de cores e todos os detalhes possíveis e imagináveis. Vai aumentar a sala e resolveu tirar aquela parede que há anos te incomodava. Enfim, a hora chegou.

Mas, espere um pouco! Antes de dar início ao canteiro particular de obras no seu apartamento, você precisa saber que não dá pra sair quebrando e derrubando tudo o que tiver pela frente sem critérios. Sabia que existem regras específicas pra isso?

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) determinou que antes de instalar um aparelho de ar condicionado, trocar um piso ou derrubar uma parede, você terá que contratar um arquiteto ou um engenheiro para formular um projeto. Além destes, trocas de janelas e de encanamento e instalações elétricas e de gás também fazem parte da lista de reformas condicionadas a autorizações.

O projeto elaborado deverá ser entregue ao síndico do prédio e, apesar de muitas pessoas acharem desnecessária tal mudança, é de suma importância para a segurança de todo o prédio. Afinal, você estará mexendo com a parte estrutural de todo o edifício, que interfere diretamente na estabilidade do local.

Pintar as paredes ou trocar uma fechadura não mexerá com a estrutura do seu prédio, mas existe uma série de reformas que precisam de um projeto. Separamos uma lista para que você aja de acordo com a lei:

– Reforma do sistema hidrossanitário;

– Instalações elétricas;

– Instalações de gás;

– Instalação de aparelho de ar condicionado ou exaustor;

– Furos ou aberturas em paredes;

– Remoção total ou acréscimo de paredes;

– Reformas em elevadores ou bombas de água;

– Remoção de revestimentos na fachada do prédio ou no piso e paredes;

Agora que você já sabe da existência da nova regra, não é hora de desistir da reforma. Pense que o desenvolvimento de um projeto de reforma pro seu apartamento vai gerar segurança total para seus vizinhos e principalmente pra você, em caso de dúvidas em como proceder com sua reforma informe-se com sua administradora de condomínios.

É hora de fazer o seu projeto e, depois sim, reformar.

Um telhado pra lá de natural

Tendência dos últimos anos, o Ecotelhado é a natureza suspensa que promete dar um toque todo especial a diversas edificações, proporcionando temperaturas agradáveis e uma economia significativa de energia, dando espaço para que a Sustentabilidade ganhe corpo na região onde você mora ou na área onde a sua empresa está localizada.

Também conhecido como Cobertura Viva, ou Telhado Verde, o Ecotelhado é obra da arquitetura e tem a missão de resolver diversos problemas da atualidade, como as alterações de clima e a falta de áreas verdes nas cidades.

Gründach - green roof 02

Com uma técnica extremamente bem elaborada, é feito com a utilização de plantas, com as quais o topo de edifícios e residências é coberto, formando um jardim suspenso que, além da beleza visual, traz uma série de vantagens para a cidade, como:

– Reduz o efeito das ilhas de calor. É claro que apenas uma casa com Ecotelhado não vai proporcionar mudanças significativas na temperatura; todavia, a partir do momento que várias edificações próximas aderem ao telhado verde, é possível perceber o efeito da redução de temperatura;

– O Ecotelhado melhora a estética do local, além de influenciar diretamente na acústica, pois os ruídos urbanos são reduzidos no interior das casas e edifícios;

– Diminui a amplitude térmica, e isso favorece a maior durabilidade de prédios e casas;

– Aumenta a biodiversidade;

– Gera reserva de água de chuva, que pode ser reaproveitada;

– É de fácil manutenção;

– Retém e também reduz a velocidade das águas das chuvas, diminuindo sensivelmente o perigo de enchentes;

Qualquer laje impermeabilizada pode receber um Ecotelhado. Porém, a instalação não deve ser realizada por qualquer pessoa. Uma equipe especializada deve ser contratada para que uma série de detalhes técnicos seja aplicada. É necessário que seja realizada uma vedação adequada para evitar vazamentos.

A inclinação do telhado também é fundamental para que seja definido qual o tipo de Cobertura Viva deve ser instalado. Some-se a isso a análise das plantas adequadas para cada tipo de telhado, além da estrutura de suporte e o tipo de irrigação.

A manutenção é bem simples e idêntica à de um jardim convencional e você mesmo pode realizar. É ou não é uma boa opção?

Hora de valorizar a segurança! Atenção às rotas de fuga no seu condomínio

emergency exit

Uma das primeiras coisas que devemos pensar quando escolhemos um prédio para morar é a questão da segurança e, neste quesito, a prevenção de incêndios ocupa o topo, não é verdade? Todos os condomínios têm uma imensa preocupação com isso, concorda? Infelizmente não…

Apesar de ser direcionado a todas as pessoas que moram naquele local, o que mais encontramos são casos onde a Lei é burlada. Provavelmente você já deve ter visto prédios (quem sabe até o seu é assim) onde as cestas de lixo estão colocadas em locais errados, obstruindo as rotas de fuga.

E por mais contraditório que isso possa parecer, são colocadas – em muitos casos – pelos próprios moradores que, por comodidade, preferem colocar uma lixeira próxima aos seus apartamentos para evitar o deslocamento até o local apropriado.

O grande problema disso tudo é que acabam obstruindo a passagem deles mesmos nos casos de evacuação da área nos incêndios. É totalmente contra a lei tal prática, mas geralmente o que predomina é o pensamento de que “nunca ocorrerá um incêndio neste prédio”, ou até mesmo em função da fraca fiscalização dos Bombeiros em prédios residenciais.

É muito importante que os condomínios adequem a prevenção de incêndios ao tipo de moradores de cada prédio. Locais com muitos idosos e cadeirantes precisam de uma atenção especial no manuseio de extintores de incêndio e mangueiras.

Também é necessário fazer simulações periódicas e exercícios práticos, pois é nesse momento que é possível perceber as maiores dificuldades dos moradores e o comportamento deles nas rotas de fuga.

As rotas de fuga devem ser muito bem sinalizadas, pois em caso de incêndio, a fumaça e o desespero prejudicam o acesso rápido dos moradores. O síndico deve solicitar periodicamente a vistoria do Corpo de Bombeiros para ter plena noção das reais condições do prédio.

Outro detalhe importante em relação às rotas de fuga é que o mais indicado é a adoção de ventilação artificial por pressurização nas escadas, pois uma grande porcentagem de mortes em incêndios é causada por intoxicação com a fumaça.

Caso tenha alguma dúvida sobre sinalização ou segurança entre em contato com a sua administradora de condomínios para que possa ser esclarecidas suas dúvidas.

Por fim e não menos importante, vale lembrar que nenhuma dessas medidas será eficiente se não houver conscientização dos moradores com relação à prevenção de incêndios e treinamento para casos de emergência.

Placas de Identificação – o seu condomínio precisa delas

Todo condomínio tem características próprias e também pontos que são universais em todos os prédios. Hoje vamos nos deter aos fatores que são comuns e importantes em todos eles e que são essenciais para o bom relacionamento entre as pessoas que lá residem.

Em especial as Placas de Identificação, temos nessas um trunfo para que todas as informações pertinentes ao bom convívio estejam explícitas a todas as pessoas. Mas elas também são ponto importante na segurança dos moradores, evitando vários acidentes.

É nessa hora que surge a pergunta: como são determinadas essas placas e quem tem a responsabilidade de implantá-las nos condomínios?

@_Fire Symbol

Na instalação dos condomínios, ocorre uma assembleia e os condôminos elegem um síndico, que terá funções muito importantes no dia a dia; uma delas é contratar uma administradora para orientá-lo no seguimento da lei a respeito das placas.

Dentre as diversas áreas que precisam de Placas de Identificação, duas delas são essenciais: a dos elevadores e as que necessitam de sinalização para prevenção de incêndios.

As normas para a implantação das placas variam de acordo com o prédio e o número de moradores. Mas vamos aqui dar uma atenção especial a uma parte dos prédios onde ocorrem muitos acidentes quando não existem Placas: os elevadores. É muito importante a sinalização para lembrar o morador de verificar se o elevador encontra-se parado naquele andar.

No quesito prevenção de incêndios, a sinalização para os extintores é fundamental, assim como as Placas que norteiam os moradores para as saídas de emergência. Identificação para portas corta-fogo e mangueiras também são importantes e não podem ser ignoradas pelo síndico e pelos moradores.

O estacionamento também necessita de sinalização, assim como possíveis acordos realizados entre os condôminos, como regras para utilização da piscina e trânsito de animais de estimação. Além disso, é importante a sinalização de andares e de apartamentos à direita e esquerda.

Infelizmente existem muitos condomínios que não dão a devida atenção a esses detalhes. Todavia, se você deseja uma boa comunicação e proteção contra acidentes tanto no prédio onde você mora quanto no seu local de trabalho, lute para que a Lei seja cumprida, caso tenha dúvidas ou sugestões fale com sua administradora de condomínios .

Examine as sinalizações do elevador e de prevenção de incêndio e procure conscientizar os seus vizinhos de que as Placas de Identificação são fundamentais para todas as pessoas.

Animais de estimação de grande porte em condomínios – Tudo o que você precisa saber

É quase unanimidade: somos apaixonados por animais. E essa é uma questão muito mais complexa e que não se limita apenas ao amor que sentimos pelos bichinhos, sejam eles gatos, cachorros, pássaros e tantos outros que dão uma cor toda especial às nossas vidas.

É fato que muitas pessoas gostam de ter um animal de estimação em casa. Todavia, quando tratamos de apartamentos e condomínios, existem muitas questões que precisam ser analisadas de perto.

Happy family sitting on couch with their pet labrador at home in the living room

Foi pensando em você, que mora em apartamento e que tem ou que pretende ter um animal de estimação, que preparamos uma série de detalhes para que a sua convivência seja prazerosa e não te traga problemas futuros com vizinhos. Fique atento:

– Não existe uma lei que proíba os moradores de condomínios de ter um animal de estimação. O que existe e vigora na maioria dos casos são algumas regras formuladas na convenção do condomínio;

– Existem regras que prezam pelo bom senso no trato com animais em condomínios, em especial nas áreas de uso comum;

– É preciso ficar atento para os locais determinados para a entrada e saída de animais;

– Você possivelmente vai encontrar resistência de alguns moradores, mesmo que aja sempre de acordo com as convenções estabelecidas. Por isso, procure manter a tranquilidade e tenha sempre consciência dos seus direitos e deveres;

– É indispensável, no caso de cães quando, em áreas de uso comum, que eles estejam sempre de coleiras e, dependendo da raça, que estejam usando também a focinheira;

– Fique atento com relação a fezes e urina de seu animal de estimação. Leve sempre com você um saco plástico ou um jornal, no caso desse imprevisto acontecer. É sua obrigação recolher e levar até a lixeira.

– Procure manter diálogo aberto com seu síndico e priorize a utilização dos elevadores de serviço quando estiver com seu animal de estimação;

– Mantenha-se atualizado com relação às leis e saiba reivindicar o direito de ter o animal no seu apartamento. Saiba: são raríssimos os casos em que ocorre a proibição por parte de juízes. Na maioria das vezes, só é vedada a presença de animais de grande porte em apartamentos quando isso prejudicar o bem-estar do próprio animal e não dos vizinhos. Geralmente é levado em consideração o espaço mínimo que o animal necessita para viver, pensando sempre no temperamento da raça e no tamanho;

– No caso de você ter um cão de grande porte e ele tenha o hábito de latir muito durante a noite, sugere-se que você procure um adestrador para que esse hábito do animal não traga constrangimentos e problemas entre você e seus vizinhos.

Enfim, você sabe que possivelmente encontrará problemas com algum vizinho em função do grande porte do seu animal, que assusta e intimidade as pessoas, na maioria das vezes. Por isso, aja sempre com bom senso, siga todas as regras, entenda seus direitos e os direitos dos outros e, acima de tudo, cuide bem do seu animal.

Em caso de dúvidas informe-se com sua administradora de condomínios  para saber atitudes que seu condomínio pode tomar.